Release - A BÍBLIA E A GESTÃO DE PESSOAS

O livro traz, em dez capítulos, uma abordagem inovadora no que diz respeito à gestão de pessoas. Utilizando-se de cases bíblicos, sem ter a pretensão de tratar de teologia ou de doutrina, o professor Paulo Roberto que possui especialização em gestão Estratégica de Pessoas, aplica as diversas ferramentas de RH, como por exemplo, seleção de pessoal, avaliação de desempenho, clima organizacional e outros, sob uma perspectiva de valores comportamentais, os quais segundo ele constituem o foco principal da Bíblia Sagrada. Seu objetivo com o livro é atender a uma demanda do mercado de trabalho, que exige dos colaboradores das empresas mais do que conhecimento técnico, exige, também, competências humanas desenvolvidas.

Desenvolvimento pessoal

Com analogias e aplicações feitas a partir do livro de Provérbios, o autor aborda princípios e valores universalmente tidos como desejáveis. Aspectos éticos que tratam, por exemplo, de honestidade, retidão, justiça e outros, são comentados de forma contemporânea, visando promover a reflexão e compromisso com ideais elevados.

Competência

Valendo-se da experiência vivida pelo profeta e administrador público Daniel, o autor analisa e demonstra de forma prática a importância das diversas competências para o sucesso pessoal e profissional. Conhecimento, habilidade e atitude constituem o tripé para a formação de uma competência; aspectos encontrados no personagem didático desta abordagem.

Seleção de pessoal

Com base em duas cartas escritas pelo apóstolo Paulo, importante líder da igreja cristã primitiva, onde ele descreve o perfil ideal das lideranças que deveriam atuar na igreja em formação, o autor explicita a necessidade de elaborar um ótimo processo seletivo, a fim de evitar dissabores na organização.

Avaliação de desempenho

Entendendo o colaborador como um ramo ligado ao tronco central, no caso a organização com sua missão e visão, o autor busca em um dos últimos discursos de Cristo a seus discípulos, a inspiração para provar que todos são avaliados em todo o tempo, quer seja formalmente ou informalmente.

Relações interpessoais

Inclusão, controle e afeto são os aspectos abordados neste capítulo. Utilizando-se de mais de um texto bíblico para esta analise, o autor destaca a necessidade de promover condições para melhorar as relações humanas no ambiente de trabalho. Partindo do princípio que as relações interpessoais acontecem desde o momento em que a pessoa nasce, deve-se investir para que estas sejam saudáveis e, especificamente na empresa, gerem resultados positivos.

Administração de conflitos

Apesar de serem inevitáveis devem sempre ser tratados. Com bom gerenciamento os conflitos podem ser reduzidos a patamares toleráveis. Neste capítulo o autor aborda o conflito e suas naturezas. Demonstra que este pode ser negativo, quando se prende a questões de personalidade, mas pode ser positivo quando se debate ideias. Conflitos interpessoais e intrapessoais são analisados neste capítulo.

Resiliência

Aqui o autor faz uma reflexão pedagógica quanto à capacidade de se transformar adversidades em aprendizagem. O debate gira em torno do quanto uma pessoa poder ser submetida à pressão sem entrar em surto psicológico. O personagem didático desta abordagem é José, filho preferido do patriarca Jacó que foi vendido como escravo por seus irmãos. Após uma longa trajetória multicultural tornou num grande estadista.

Clima Organizacional

Aspecto que se reveste de grande importância no âmbito corporativo, o clima organizacional precisa ser trabalhado pelos gestores. Com analogias feitas a partir do excelente ambiente de convivência da igreja cristã do primeiro século, o autor propõe medidas de atuação que proporcionem um clima organizacional que promova a produtividade.

Delegação de autoridade

História clássica abordada nos cursos de administração de empresas, o episódio em que o líder hebreu Moisés recebe conselhos de seu sogro, no que diz respeito à divisão do trabalho, é tratado neste capítulo. Delegação de autoridade, ou conforme aborda o autor, a distribuição de uma medida de poder entre os colaboradores, a fim de gerar agilidade nas decisões e promover o desenvolvimento dos colaboradores, é um assunto do dia-a-dia das organizações.

Liderança

Competência procurada por gestores de pessoas nos grupos que atuam nas empresas, liderança é um tema recorrente. Bons líderes constroem boas organizações. Tendo por base o extraordinário trabalho desenvolvido pelo rei israelita Ezequias, o autor destaca sete ações indispensáveis de um bom líder.